segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Branco Breu

Quem és?
Populosa solidão
Ardilosa inocência
Doce fel, 
Plácido furacão!
Deixa-me entrar?
Tortuosa geometria, 
Fé pagã
Deliciosa dor, 
Triste alegria!
Permita-me ser?
Vívida morte
Coloridas cinzas
Vã sabedoria
Desgraçada sorte!
Vida afora,
Noite adentro
Ledo engano!
Fui eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário