sábado, 11 de julho de 2015

Liga-me do Alasca



Clarão de neve branca
Tão lânguida, tão santa...
Ursos polares
Rotas estelares
Eu a vagar...
Vasta independência, 
Ausente população
És assim, e somos:
Dias inteiros, solares
Noites frias, intermináveis
Tempos que se distanciam
Climas, rimas
Fogo que queima, lento
Faca feita de vento!
Corta-me toda, tu.

(nunca estive no Alasca)


Nenhum comentário:

Postar um comentário