quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Um dia chamei de (!)




Um dia chamei de sua, a ilusão que era minha, e então?!
Um dia chamei de amor, o compasso de uma dor, e então?!
Um dia chamei de minha, a casa que você tinha, e então?!
Veja lá bem o que seja, o que for pra nomear, classificar, designar...
Vou agora te contar o que mais chamei de...
Um dia chamei de paz, o que era só silêncio, e então?!
Um dia chamei liberdade, as grades da minha prisão, e então?!
Um dia chamei absoluto, e era muito relativo, e então?!
Resolvi chamar para mim, coisas que eu queria, enfim!
Chamei a solidão, e ela veio, pois então!
Chamei a felicidade, apareceu essa cidade!
E então, chamei você...

(Essa poesia é dedicada ao grande Lula Queiroga: o tema foi dado por ele, num encontro num hotel em Lisboa, antes do show do dia 23/02/2013)

Nenhum comentário:

Postar um comentário